www.escoladebicicleta.com.br
LIVRO ON-LINE      AULAS DE BICICLETA      FACEBOOK      CONTATO         
Escola de Bicicleta, 11 anos!

 
Bicicleta não é apenas meio de transporte. Para Arturo Alcorta, é também um valioso instrumento para a formação das pessoas. Assim, acredita que ela deva ser entendida em suas muitas dimensões: humanas, técnicas, políticas, econômicas e ambientais...
 
Com essa perspectiva em mente, ele e outros amigos ativistas criaram o site da Escola de Bicicleta, que traz textos onde se aprende um pouco de tudo - da mecânica das bikes a como pedalar de forma segura pela cidade.
 
Que bicicleta comprar? Aulas práticas Livro on-line
Sistema cicloviário: dicas para o bem fazer
 
Implantar um sistema ciclo viário num traçado urbano pouco carregado e de trânsito muito tranquilo é muito mais fácil do que na situação caótica que se encontram nossas cidades hoje. Conflitos sociais têm reflexos diretos no trânsito e a situação piorou muito depois da irresponsabilidade do IPI Zero.
 
Pensar em sistema cicloviário é novidade e novidades dificilmente são aceitas como um passar manteiga em pão quente. Em 2008, num dos muitos projetos cicloviários apresentados para a Prefeitura de São Paulo, um bairro de classe média alta e trânsito local restrito faria parte do caminho dos ciclistas, mas os responsáveis pelo projeto receberam um simpático recado "Ciclista não vai passar pelo nosso bairro"; e foi ponto final. Hoje ainda temos este tipo de tensão, ou pressão, como queira, mas em uma escala muito menor e normalmente contornável.
 
As cidades brasileiras sempre conviveram com três situações distintas para a questão da bicicleta:
1 - a dos trabalhadores ciclistas de periferia que são praticamente invisíveis até para as autoridades, incluindo as de trânsito, por que entram muito cedo no trabalho, portanto circulam fora do horário de pico;
2 - a massa dos ciclistas de fim de semana que pedalam por lazer ou esporte que até pouco eram os socialmente mais visíveis;
3 - e a novidade dos ciclistas da classe média que hoje chamam muito a atenção.
 
Para cada situação é preciso pensar o sistema cicloviário de maneira particular, quase que específica, por que a disponibilidade de espaço, densidade de trânsito, comportamento social e a qualidade da bicicleta, dentre outros são também particulares, algumas vezes únicos.
 
Um pecado comum é o projeto cicloviário ser montado no computador ou no papel, distante da realidade, e ou fazer tudo no estrito da lei e normas técnicas. É crucial entender qual é a população que vai ser atendida, onde ela pedala, como pedala, para que usa a bicicleta, como é vista a bicicleta na localidade, quais as particularidades de cada trecho e cruzamento, qual o ambiente e meio ambiente, e principalmente ter inteligência para dar flexibilidade ao projeto. Para isto o ideal é que quem esteja envolvido na construção do projeto tenha um mínimo conhecimento geral sobre a cultura da bicicleta e do pedalar, dirija automóveis, e finalmente seja realmente pedestre, do contrário saem umas ciclovias que até o mais fanático cicloativista acha risível.
 
Creio que o maior pecado que se faz hoje é pensar excessivamente na segurança do ciclista. Somos uma sociedade focada na cultura do medo. Entrega-se terror para vender mediocridades populistas. Fazer bem feito é enfrentar de frente os problemas. A diferença para o populismo é que no populismo as más notícias são censuradas.
 
Texto de Arturo Alcorta.
livro on-line             mapa do site             contato             vg.webmaster            
Escola de Bicicleta - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo desta página sem prévia autorização. Política do Site »